Pesquisar

história

Navegue pela nossa linha do tempo e conheça as memórias de Nazaré Uniluz.

Março de 1982
Centro de luz
Um grupo de 12 pessoas, inspirado por Trigueirinho (cineasta brasileiro, pesquisador das filosofias perenes e líder espiritual), instala-se às margens da represa Atibainha, em Nazaré Paulista/SP. Após receber terras em regime de comodato por 30 anos, o grupo se encontra para um retiro espiritual de seis meses, inicia a construção efetiva do Centro de Luz, com o objetivo de criar um espaço para estudos e práticas de meditação e atenção plena (mindfulness), de modo a ampliar a consciência humana por meio do autoconhecimento, do serviço altruísta e do convívio grupal. O espaço é criado com total independência de orientações religiosa, filosófica ou política e, desde a sua fundação, se norteia pela neutralidade, simplicidade, liberdade de dogmas e sentido de propriedade.
Março de 1982
1982 – 1983
Em uma visita à comunidade de Findhorn (1981), no norte da Escócia, Trigueirinho encontra Sara Marriott (escritora norte-americana e executiva do Movimento Bandeirante dos EUA, residente ali há cerca de 12 anos). Os dois passam a trocar correspondências desde então e, por meio de cartas, Trigueirinho convida Sara para participar da construção desse Centro de Luz no Brasil.
1982 – 1983
1983 – 1984
Sara Marriott chega ao Brasil em primeiro de abril de 1983 e permanece por um mês com o grupo no Centro de luz. Ao final de 1984 e aos 79 anos Sara decide deixar Findhorn e vem residir em Nazaré. Nessa fase, o Centro de Luz é conduzido por uma abordagem mais esotérica e fundamentada nos livros de Alice A. Bailey, de forma disciplinada e com o tom mais monástico e introspectivo de Trigueirinho. A experiência de Sara Marriott, fundamentada em sua própria prática meditativa e em materiais contemporâneos da Nova Era, trazia elementos de Findhorn que incluíam atividades com as danças sagradas circulares, a energia dos anjos e dos devas Natureza, com uma ênfase na partilha e na convivência grupais, apoiadas num sentido de cuidar amorosamente de tudo. Da combinação e comunhão dessas duas vertentes foi surgindo e se desenvolvendo o aspecto ‘Comunidade Espiritual’ do trabalho.
1983 – 1984
1985 – 1986
Por meio do serviço voluntário e de múltiplas doações, grande parte dos prédios existentes já estão construídos. O serviço voluntário e impessoal, os estudos, as práticas meditativas realizadas em grupo, as atividades nas diferentes “salas de aula” (horta, cozinha, tecelagem, padaria, etc.) e o cuidado com a natureza são utilizados para promover a expansão da consciência e o autoconhecimento. O grupo de residentes sustenta e mantém todas as atividades realizadas, com o apoio de hóspedes e visitantes itinerantes. Pessoas de diferentes partes do mundo chegam ao campus e aqui permanecem por se sentirem atraídas pelo propósito do espaço. O grupo interno está mais fortalecido e amadurecido.
1985 – 1986
1987
Trigueirinho percebe que o espaço passa por profundas transformações e isso coincide com o processo de amadurecimento do grupo, assim como do fortalecimento da liderança grupal. Então, ele decide criar uma programação que lhe permitisse se afastar do trabalho durante o ano em vigência, para ministrar palestras pelo Brasil e outros países. Isso serve para dar um novo encaminhamento para o seu trabalho pessoal e revela que o seu ciclo de liderança com o grupo em Nazaré está encerrado. Ainda nesse período, ele decide fundar Figueira (Minas Gerais), afastando-se definitivamente de Nazaré. Sara Marriott permanece com o grupo de residentes, sustentando espiritualmente o espaço e apoiando o novo direcionamento grupal numa condução menos esotérica e monástica, favorecendo as iniciativas do grupo e seu amadurecimento, nesse novo contexto. Periodicamente, Sara proporcionava encontros para compartilhar sua jornada espiritual com todos que frequentavam o espaço e também atendia pessoas individualmente.
1987
1987 – 1990
Centro de Vivências Nazaré
O “aspecto” Comunidade Espiritual se desenvolve plenamente durante essa década, Nazaré torna-se legalmente uma associação sem fins lucrativos e continua a oferecer vivências focalizadas exclusivamente pelos residentes. No final dessa década, com o propósito de oferecer vivências e oficinas ligadas às várias áreas do saber, como resposta a uma abertura global voltada para a espiritualidade característica dos anos 90, o espaço se abre para incluir facilitadores de fora e dar lugar ao “aspecto” denominado “Centro de Vivências”. O Centro permanece se sustentando por doações e contribuições espontâneas dos visitantes que buscam as vivências oferecidas pelos voluntários que residem no campus e por facilitadores não-residentes.
1987 – 1990
1999
Aos 94 anos, Sara Marriott decide retornar aos EUA e o grupo de residentes permanece sustentando o campus. Só a partir de 1999, quando filosofias e princípios semelhantes já estavam difundidos por todo o país, inspirando dezenas de trabalhos afins, “O Centro de Vivências Nazaré” sofreu uma diminuição no grupo de residentes e houve a necessidade de contratar funcionários e, pela primeira vez em sua história, passa a cobrar pelas vivências e estadias. O cuidado com a natureza, presente nas ações diárias e projetos do espaço, sempre esteve voltado para uma abordagem que desperta a consciência humana para perceber que nós somos a própria Natureza. Por isso e para dar lugar a uma iniciativa qualificada, acadêmica e no âmbito da ecologia, durante os anos 90, Nazaré Uniluz abre espaço para dar lugar ao IPÊ – Instituto de Pesquisas Ecológicas, considerado uma das maiores ONGs ambientais do Brasil, cedendo-lhe uma área de 22 mil m² de terra com construções, em sistema de comodato por catorze anos. O IPÊ cresceu e ampliou suas instalações, sendo atualmente proprietário da área. http://www.ipe.org.br/ipe
1999
2000 – 2004
Sara Marriott falece nos EUA no ano de 2000 (novembro) aos 95 anos de idade. Sua doçura e benevolência influenciam até hoje o espaço e deixa saudades em quem conviveu com ela. Neste período há uma evasão de residentes e de associados e Nazaré passa por uma crise de identidade institucional. Por este motivo, em 2003 surgem os primeiros esboços da Universidade e o Programa de imersão para residência temporária, uma formação que nasce com o objetivo de atrair novos residentes para o campus, trabalho que existe até hoje. Em 2004, com o trabalho conjunto de uma grande equipe formada por antigos membros e novos participantes da época, nasce Nazaré Universidade da Luz, com um novo estatuto interno e uma nova razão social.
2000 – 2004
2005 – 2006
Nazaré Universidade da Luz
Os aspectos Centro de Luz, Comunidade Espiritual e Centro de Vivências se integram e se transformam em Nazaré Universidade da Luz, qualificada como OSCIP (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público), cuja missão é continuar a ser uma escola pioneira no cultivo de uma didática de desenvolvimento e educação integral do ser humano, oferecendo cursos e vivências voltados para o autoconhecimento, tendo a meditação, a prática da atenção plena (mindfulness) e o resgate de valores universais e espirituais na vida diária como seus instrumentos didáticos. Além disso, a Instituição tem cumprido seu papel social por meio de vários projetos: – Projeto crescendo com a comunidade (2004-2006) – Projeto de responsabilidade social, voltado para jovens e famílias que vivem no Bairro do Moinho onde Nazaré Uniluz está localizada, atuando junto a educadores e agentes sociais da cidade de Nazaré Paulista e região, com o objetivo de promover a educação integral do indivíduo, construindo caminhos para a sustentabilidade pessoal e socioambiental. O projeto promove oficinas de artes (tecelagem artesanal, aquarela, modelagem em argila, teatro e danças circulares), nutrição (padaria artesanal) e saúde Integral (atendimento psicológico e terapias naturistas) e feiras de trocas (incentivando a economia solidária local) com o apoio de voluntários, corpo docente do campus e a Prefeitura Municipal de Nazaré Paulista.
2005 – 2006
2008 – 2011
Nazaré Uniluz
Projeto de recuperação das matas ciliares (2008-2010): Nazaré Uniluz é uma das entidades escolhidas para participar do projeto da Secretaria do Meio Ambiente de São Paulo, que visa reflorestar com espécies nativas as áreas de preservação permanente de rios e nascentes, restaurando assim processos ecológicos e serviços ecossistêmicos, em uma área de aproximadamente 35 hectares. Outras informações no site da Secretaria do Meio Ambiente. Projeto Encontro de ecovilas (de 2008-2010): iniciativas pela sustentabilidade social, ecológica e econômica, tanto na vida em assentamentos humanos sustentáveis, as ecovilas, como na vida urbana com o movimento chamado Cidades em Transição. Estiveram presentes no encontro de 2008 pessoas que trabalham com o tema e também interessados de várias partes do país, como a Ecovila Clareando, Instituto Visão Futuro, UNIFESP, Terra Una e vários ambientalistas. A riqueza destes encontros durante anos esteve em abrir espaço para a percepção do propósito comum que move comunidades tradicionais e intencionais como guardiões da terra. Educação em valores humanos com crianças (2010): Este projeto foi realizado em parceria com a Prefeitura Municipal de Nazaré Paulista e proporcionou a oportunidade para 20 crianças de escolas municipais estarem em contato direto com a natureza, na horta orgânica do campus, assim como desenvolver um trabalho cooperativo na padaria. Projeto Tecendo e costurando a vida (2011): O projeto tem como público alvo monitores e professores do Instituto Ser Cidadão, organização da cidade de Nazaré Paulista que trabalha com jovens e adultos com necessidades especiais. Pessoas do Instituto recebem orientações básicas de como utilizar a tecelagem manual no processo educativo.
2008 – 2011
2012 – até os dias atuais
Hoje, Nazaré Uniluz oferece cursos, formações diversas, pós-graduação e vivências a cerca de 2.000 pessoas por ano. Conta com o apoio contínuo de residentes e voluntários, um grupo de associados, colaboradores e funcionários que cuidam diariamente das suas atividades de sustentação. Possui uma área aproximada de 50.000 m², com 14 edificações, uma horta e uma padaria que garantem parte de sua subsistência com alimentos orgânicos e está cercada por vegetação nativa, típica da Mata Atlântica, nas cercanias da Serra da Mantiqueira, à beira do reservatório do Rio Atibainha, no Sistema Cantareira. A Universidade oferece bolsas para os seus diversos cursos e vivências e, a partir de 2016 de modo mais sistemático, centenas de pessoas foram beneficiadas por elas e milhares de reais foram investidos para atender a necessidade de indivíduos e grupos interessados no autoconhecimento.
2012 – até os dias atuais
2012 – até os dias atuais
Nazaré Uniluz permanece atuando socialmente por meio dos Programas de Voluntariado e de Bolsas de Estudos para formações, cursos e vivências. Em 2016 mais de 50 pessoas foram beneficiadas, num investimento que equivale a R$ 61.217,00 e em 2017 o valor investido foi R$ 120.360,00, beneficiando 110 pessoas. Anualmente estes indicadores sociais são atualizados e divulgados no nosso site.

Social and Financial Demonstratives

Nazaré Uniluz permanece atuando no âmbito de sua missão que se baseia no desenvolvimento integral do ser humano para a consciência de si mesmo e de sua inter-relação com o Todo. A Universidade segue inspirada na ideia de que “o pequeno é belo” – (Small is Beautiful – E.F. Shumacher) – e levando sempre em conta o que é bom, belo, justo e sustentável para a humanidade e todos os seres da Natureza.
2012 – até os dias atuais