Início > Blog > Compaixão – A Arte de Lidar com o Sofrimento

Compaixão – A Arte de Lidar com o Sofrimento


arte da compaixao

A compaixão é uma resposta natural quando nosso coração está aberto. Envolve reconhecer a nossa condição humana compartilhada, imperfeita e frágil, como ela é.

 

O que é compaixão?

A compaixão é a abertura da sensibilidade ao sofrimento, de nós mesmos e dos outros, e o desejo genuíno de aliviar esse sofrimento e suas causas verdadeiras. A compaixão é uma resposta natural quando nosso coração está aberto. Entretanto, ao longo da vida, nós aprendemos estratégias defensivas para fechar o coração. A compaixão envolve reconhecer a nossa condição humana compartilhada, imperfeita e frágil, como ela é.

Quando desenvolvemos a compaixão nos tornamos conscientes do sofrimento e vemos uma virtude no outro e sabemos o quanto o outro pode ser feliz. É uma experiência ou estado que permite manter duas coisas opostas, um estado de ativação e outro de calma e tranquilidade.

A compaixão não deve ser direcionada apenas às vítimas inocentes, mas também para as pessoas que sofrem em decorrência de falhas, fraqueza pessoal, decisões ruins, ou seja, deve ser direcionada a todos. 

Compaixão é o desejo genuíno de aliviar o sofrimento do outro e autocompaixão é de aliviar o nosso próprio sofrimento. Sendo assim, quando praticamos a autocompaixão, o autojulgamento começa a se dissolver e é substituído por uma sensação de calma e aceitação. Então, somos capazes de permitir que a vida seja como ela é e abrir o nosso coração para nós mesmos e para os outros.

Os Benefícios da Autocompaixão

 A autocompaixão promove uma nova forma de lidar com as adversidades da vida, sejam elas internas ou externas.  Muitos são os benefícios, descrevo abaixo alguns exemplos:

  • Lidar melhor com emoções difíceis (medo, irritabilidade, hostilidade, angústia)
  • Perceber que pensamentos negativos não necessariamente refletem a realidade e aprender a lidar com a vida com maior tranquilidade e gentileza
  • Transformar relacionamentos desafiadores 
  • Aumento da segurança
  • Redução de críticas e julgamentos
  • Aumento da resiliência, criatividade, bem-estar, satisfação de vida
  • Felicidade como um benefício secundário
  • Praticar a arte de saborear a vida e a autoapreciação

A Ciência da autocompaixão e o Alívio do sofrimento

Eu Provoquei a Experiência Frustrante, e Agora?

No dia a dia vivemos diversas experiências, algumas mais desafiadoras, outras  neutras. A grande questão se dá quando a experiência é frustrante e quem provocou a emoção difícil foi você mesmo. 

Segundo Kristin Neff, no momento em que experimentamos o dissabor dos nossos erros, falhas ou fraquezas, devemos aplicar uma técnica para estimular nosso cérebro de tal modo que ao invés de explorarmos o julgamento, podemos experimentar o autoacolhimento. 

Uma Técnica para o Autoacolhimento:

Reconhecer suas emoções no momento em que a experiência desagradável acontecer, nomeando-a com uma voz compassiva. Diga a si mesmo: “ah, é a raiva, eu reconheço essa emoção”. 

Identificar em seu corpo onde a emoção mais se manifesta e colocar as mãos na região e relaxar esse local de tensão. Todas as emoções difíceis se manifestam em nosso corpo através de dores físicas. 

Por fim, mentalizar frases que gostaria de ouvir de um melhor amigo e dizer para si mesmo frases de acolhimento, amor e bondade. Reconheça que, assim como você, as pessoas experimentam erros e frustrações. A diferença é que a partir de hoje você poderá oferecer amor ao invés de julgamento. 

Esses passos, cientificamente comprovados, estimulam o cérebro para a regulação emocional, reduzem a adrenalina e o cortisol e produzem ocitocina. Desta forma, é possível experimentar no corpo e na mente uma maneira totalmente diferente de lidar com o sofrimento. Se antes você se julgava e autocriticava pelos erros ou falhas cometidos, agora você poderá se acolher de maneira equilibrada. 

Com autocompaixão identificamos com mais clareza a realidade das experiências e com isso ganhamos lucidez para melhores escolhas no futuro. Se queres um alívio, pare e  pratique a autocompaixão. Se queres que os outros sejam livres de sofrimento pratique a compaixão.


Por Graziela Vanni, agosto/2021

Psicóloga clínica especializada pelo Centro psicológico de controle do stress na abordagem Cognitiva comportamental. Ao longo dos últimos 18 anos vem acumulando mais de 22 mil horas de sessões individuais de terapia clínica. Formada em terapia baseada em Mindfulness, é também Teacher Training do Programa Mindful Self Compassion MSC treinada por Christofer Germer e instrutora de Mindfulness e de Mindful Eating.

Quer aprofundar-se na Autocompaixão? Conheça o Retiro Autocompaixão – Como lidar consigo e com as relações, facilitado por Graziela Vani.

    Assine nossa newsletter


    Eu aceito receber conteúdo educacional e promocional relacionado com os serviços de Nazaré Uniluz

    *Campos Obrigatórios

    Don't miss out. Subscribe today.
    ×
    ×
    X
    X