Início > Blog > A meditação em Nazaré Uniluz

A meditação em Nazaré Uniluz


Cada vez mais, a meditação é vista em todas as áreas da experiência humana como algo necessário para uma vida mais plena e feliz. Nazaré Uniluz possui em seu ritmo diário três meditações em grupo, e também propõe o exercício da prática meditativa no cotidiano das atividades que acontecem em seu campus. Ao realizarmos tarefas simples como cozinhar, limpar, plantar, podemos praticar a meditação, ela não está separada da vida.

 

Meditação e o Viver em Grupo

O Viver em Grupo é o método básico de aprendizagem em Nazaré Uniluz. Dizemos isso porque, independente de qual atividade, vivência ou curso que alguém venha experienciar aqui, estará inserido dentro desse Programa: Pulsar no ritmo, ter momentos de sintonização, abertura de atividades e partilhas, vivenciar momentos de silêncio e de meditação em grupo, compartilhar espaços comunitários com cuidado e amorosidade,  sendo convidado o tempo todo a exercitar os princípios-mestres que norteiam e embasam a experiência chamada de “Viver em Grupo”.

A Meditação é um dos princípios-mestres de Nazaré Uniluz, assim como Atenção Plena, Silêncio, Cuidado Amoroso, Partilha, Comunicação Sustentável, Liderança Circular, Cuidado com a Natureza, Ordem Cerimonial, Ritmo e Serviço Altruísta.

 

Princípios-Mestres 

É difícil separar totalmente um princípio do outro. São elementos que se integram formando um todo que possibilita a conexão consigo mesmo e com a vida que nos envolve. Então, quando falamos de atenção plena ou do silêncio, falamos também sobre meditação. Mas essa interligação não nos impede de praticar cada um deles de forma aprofundada.

 

A Meditação

Estar presente no próprio corpo, no ambiente em que se está, sentir e perceber a realidade do momento, é meditar. Fazer uma atividade com presença e atenção, se permitindo sair do automático ou de condicionamentos, é meditar. Estar consciente do que está vivendo nesse lugar, nesse momento, seja interagindo com outros ou sozinho, é meditar.

Uma atitude meditativa nos coloca numa posição receptiva ao que está sendo vivenciado a cada instante. Treinar a consciência para estar presente dentro e fora, assim como treinamos os músculos para se manterem flexíveis aos movimentos necessários para o corpo se manter vivo e saudável.

 

Existem várias formas de meditar. Vários caminhos ensinam e treinam a meditação. É um exercício constante. A diversidade de técnicas proporciona um campo de pesquisa para que cada um encontre a forma que faz sentido para si.

 

Prática meditativa no Viver em Grupo 

Nazaré Uniluz oferece vivências e cursos específicos sobre meditações. Técnicas específicas como os retiros de Yoga ou Zazen, meditação cristã, mindfulness, entre outros. Mas no Viver em Grupo, a meditação aparece de forma simples e constante, seja na qualidade que se vivencia em cada atividade, como uma meditação ativa ou nos momentos que sentamos para meditarmos juntos em silêncio.

A meditação silenciosa, sem direcionamentos ou técnicas específicas, é um momento de percepção e conexão com nosso mundo interno. O exercício que antes foi feito na interação com as atividades e pessoas, nesse momento se volta para o interior. E percebemos as sensações, pensamentos, sentimentos, questionamentos, projeções, desejos e tudo o mais que nos habita naquele momento.

No convite para observamos a respiração ao meditar temos um apoio para não nos distrairmos nas percepções. Uma âncora para reconhecermos o que está presente em nós, mas que não é o que somos em essência. Nos proporciona oportunidade de percebermos além, de recebermos informações e insights de níveis mais profundos de nosso ser. Alinhando e equilibrando nossas estruturas internas, vibramos em equilíbrio e contribuímos para o bem do Todo.

 

É um exercício contínuo

Uma vez li um texto que dizia que tentar meditar é como tentar dormir. O esforço de se tentar algo que é naturalmente vivido numa postura de relaxamento e entrega, gera muitas vezes ansiedade e frustração. Não tentamos dormir, dormimos. Quando nos esforçamos para dormir, geramos tensão, não o relaxamento necessário para a “entrega ao sono”.

Na minha experiência pessoal, meditando em Nazaré Uniluz como aprendiz, residente, colaboradora ou voluntária, sempre fez sentido essa comparação. O ritmo nos convida a pararmos as atividades e nos sentarmos por vinte minutos, três vezes ao dia, meditando juntos. Uma sala foi construída especialmente para isso.

Meditar é um exercício e nem sempre é fácil ficar sentado lá os vinte minutos, tamanha é a agitação mental presente no momento. Ouvi várias vezes pessoas dizendo que não conseguem meditar, porque acham que meditar é ficar sem pensar, e ficam tentando parar de pensar… como se tentassem dormir…

Mas na simplicidade do convite que o viver em grupo faz de sentarmos juntos em silêncio e estarmos lá, apenas, é possível perceber que relaxar e se entregar a essa experiência, sem expectativas, pode proporcionar uma experiência de profunda conexão consigo mesmo, com o grupo e com o sagrado.

 


 

Por Rosangela Gonçalves, junho/2020.

Graduada em Serviço Social pela UNESP em Franca-SP, pós-graduação em Psicologia Transpessoal por Nazaré Uniluz, terapeuta com cursos de massagens, florais, terapia corporal e energética. Tecelã e focalizadora de Danças Circulares.
Em 2007-2008 foi residente em Nazaré Uniluz. Depois desse período foi coordenadora por três anos do Programa Viver em Grupo – metodologia básica desse espaço.

X
X