Ananda em “Voluntariado” (nov/17)

Como voluntária, mergulhei mais uma vez no coração bondoso desse espaço, e encontrei a simplicidade de estar bem. O reencontro da alegria imperturbável da confiança no centro da meditação e do ritmo. O que não pode ser perdido ou ameaçado, o que me mantém alegre e leve mesmo de volta para casa. Coisas a colocar em ordem, decisões a tomar, e algo que se mantém brincante em mim que sabe que está tudo certo. Meu sorriso interno é a partilha e o abraço em cada um de vocês. É como a resposta mais linda que existe diante de algo gigante. Nazaré merece nada menos que paz no coração de cada um que toca esse chão.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *